Sobre Ouvir

(Sobre Ouvir)
Saímos do hotel às 9h39min, pedimos um Uber que dessa vez não se perdeu, mas que também não sabia o caminho, para ser justo ele quase sabia, bom, quase.

Chegamos a casa dos discípulos em 14 min, é minha primeira visita ao local, a casa é impressionante não pelo tamanho, que de fato é grande mas, pelo Kung Fu (功夫)que tem em cada canto dela, desde itens como o Muk Yat Jong (木人樁), bastões, flores de Ameixa ao zelo em cada canto dá casa e aos legados aqui permanentes de forma material e imaterial.

(Bens)

(Si Fu 師父 reverência San Toi 神台)

A manhã segue com a abertura do San Toi (神台), e com a Reunião de Discípulos, sou o caçula no recinto, todos ali eram praticantes mais antigos ou de gerações acima dá minha, eram Si Hing (師兄), Si Suk (師叔), Si Fu (師父), Si Baak (師伯) e Si Gung (師公), tenho a oportunidade de ver como funciona uma reunião na Casa dos Discípulos.

A reunião se inicia com uma configuração semelhante ao registro abaixo, curioso é que conforme o desenvolver da reunião a configuração inicial vai se moldando e se transformando de acordo com a intencionalidade estratégica, os integrantes gradualmente se organizam nas cadeiras de forma semelhante a um círculo, não me chama a atenção a função prática de um círculo, que são várias, mas a forma sutil como as cada um foi se ajustando de acordo com o que a situação pedia e a capacidade de estarem conectados e ouvindo um ao outro não só por meio da fala.


(Sobre a reunião)
Durante a reunião tive a oportunidade de ver meu Si Fu (師父), Julio Camacho (梅祖利奧no papel de To Dai (徒弟), pude ver em prática o que escuto sobre, aderir, apoiar e propor, agora de uma perspectiva privilegiada, partindo dele como exemplo, do meu Si Fu (師父), uma oportunidade mais do que interessante e em algum nível rara, como mencionei no paragrafo anterior eu era o praticante mais novo naquela reunião, o que me permitiu me colocar na posição mais confortável, a de espectador.

O mais interessante é mesmo que não esteja de fato olhando é possível sentir ao outro e se conectar a ele, por intermédio de diversos veículos.

Quando ouvimos e nos conectamos com o outro por meio do toque por exemplo, não precisamos olhar para o outro para saber que ação tomar:
(Fragmentos do Ving Tsun Kung Fu - Clique aqui) - Com Mestre Sênior Julio Camacho e meu Si Hing Claudio Teixeira

Após a reunião fomos almoçar em um restaurante que fica na mesma rua em que estávamos, caia uma leve garoa e meu Si Fu (師父) acompanha o seu Si Fu (師父), Meu Si Gung (師公). E como aprendi com meu Si Fu (師父) a ser um To Dai (徒弟) é uma possível questão de resposta simples, seguindo ele e vendo ele seguir meu Si Gung (師公).


(Sobre ser To Dai 徒弟)

Literalmente os seguindo debaixo daquela fina garoa.

_____________________________
Si Gung (師公): Si Fu (師父) do seu Si Fu (師父)
Si Baak (師伯): Irmão Kung Fu (功夫) mais velho do seu Si Fu (師父)
Si Fu (師父): Não é possível de traduzir esse termo, se faz necessário descobrir por meio da vivência com o mesmo.
Si Suk (師叔): Irmão Kung Fu (功夫) mais novo do seu Si Fu (師父)
Si Hing (師兄): Seu irmão Kung Fu (功夫) mais velho
To Dai (徒弟): Aquele que segue

Comentários

Postagens mais visitadas